Advertisement O centro do mundo, Dubai - 15 Destinos

O centro do mundo, Dubai

O centro do mundo, Dubai

Dubai é cada vez mais o ponto de encontro entre os vários mundos. Gente da Europa, América, África, Ásia e Oceânia encontra-se aqui, seja a meio caminho para outro lugar, seja como destino final de férias. Um milagre no deserto.

 

Tudo começou com o petróleo na década de 1970, apesar de no território que hoje conhecemos como Dubai já existir presença humana desde o século XVIII, essencialmente composta por grupos tribais de nómadas. Hoje, resta a memória em espaços como o Museu do Dubai, inaugurado em 1971, sendo parte do forte Al Fahidi, ao qual está ligado por uma rede de túneis. É o local onde se pode descobrir artefactos e antiguidades de até 3000 anos antes de Cristo ou vestígios de trocas comerciais seculares vindos de África e da Ásia. Recebe mais de um milhão de visitantes por ano e deve fazer parte do seu roteiro.

Na cidade velha, continua o relato da história do Dubai. É por lá que vai encontrar o rio, o Creek, e os dhows, barcos tradicionais que fazem a travessia e passeios para quem quiser ter uma experiência de outros tempos. Os mercados tradicionais são de visita quase obrigatória e, entre eles, destaca-se o souk do ouro, onde o brilho das jóias de grande porte domina todas as atenções.

A pujança deste emirado pode sentir-se também na Sheikh Zayed Road, a principal via do Dubai, onde os arranha-céus parecem saídos de um filme de ficção científica. É aqui que vai encontrar o Burj Khalifa, o edifício mais alto do mundo com 828 metros. No piso 122 está o restaurante mais alto do mundo (At.mosphere) e não faltam plataformas de observação ao longo de toda a estrutura.

Outro dos motivos de interesse no Dubai é a famosa Palm Island, a ilha-palmeira artificial servida pelo metro de superfície. No fim da linha está um parque aquático sempre concorrido, moradias e praias privadas ao alcance de poucos. Essa é, aliás, uma das características do Dubai. Parece um mundo em que as expetativas podem ser sempre superadas. Isso sente-se, por exemplo no The World, um conjunto de trezentas ilhas artificiais, que formam um mapa do mundo.

Para quem gosta de classificações fora do normal, há que visitar o Burj Al Arab, um hotel de sete estrelas, onde a reserva é fundamental, nem que seja apenas para visitar o espaço.

Nesta jóia do Golfo Pérsico, não se pode deixar de falar do petróleo, o motor de toda a economia e sociedade locais. A opulência vê-se em cada canto, seja na grandiosidade dos edifícios, seja nas montras das lojas mais badaladas do planeta, seja no parque automóvel de luxo, seja pelo império do ar condicionado, uma presença constante em todos os espaços fechados. E não poderia ser de outra forma, uma vez que a barreira dos 50ºC está perfeitamente ao alcance nos meses de verão.

No campo das compras, há que contar com aquele que é considerado o maior centro comercial do mundo, o Dubai Mall. São centenas de lojas à sua espera, entre elas a maior livraria do mundo e um gigantesco aquário que reúne alguns dos exemplares da vida marinha nos sete mares.

O Mall of the Emirates (e a sua pista de esqui) é outro dos pontos comerciais a visitar. Principalmente quando o calor aperta, já que no Ski Dubai a temperatura está quase sempre três graus abaixo de zero. Feche os olhos, ande de teleférico, faça bonecos de neve, ande de trenós, passe o tempo em cafés que são chalés de montanha e imagine-se, por exemplo, nos Alpes. Com o deserto ali ao lado.

O Dubai é uma cidade de ponto de encontro de cidadãos dos mais diversos países, mas convém não esquecer que se deve respeitar a religião e a cultura deste emirado. Ombros e joelhos à mostra, consumo de álcool e demonstrações públicas de afeto não são aconselhadas.

 

BI Dubai
Moeda:
Dirham – AED (1 Euro: 4,10 AED)
Quando ir: De outubro a abril a temperatura é amena. Nos meses de verão, o calor é intenso.
Língua: Árabe
País: Emirados Árabes Unidos